Abril Indígena começa em Brasília na sexta-feira (13)

A previsão é que a intervenção comece na quarta-feira (10) e dure 30 dias corridos, tempo em que o museu ficará fechado para visitação.
 Como forma de dar mais visibilidade ao movimento indígena, oficinas, debates e exposições estão incorporados à programação do 58º aniversário de Brasília. O Abril Indígena prevê uma série de ações de sexta-feira (13) até o fim do mês — duas exposições continuam em maio e junho.

O Memorial dos Povos Indígenas, no Eixo Monumental, concentrará a maioria das atividades. A oficina A arte da cerâmica abre a agenda, na sexta-feira (13) e no sábado (14). Nela, integrantes dos povos Terena, Kadiwéu e Kinikinau ensinam como transformar argila e barro em peças como vasos e utensílios variados.

No fim de semana seguinte (20 e 21 de abril), será ministrada a oficina A arte da pintura corporal, com mulheres do povo Kayapó. Elas mostrarão o processo completo, desde a obtenção da tinta, com a extração do jenipapo, até a aplicação na pele.

Em 27 e 28 de abril, ocorre a oficina A arte da cestaria, com representantes do povo Canela.

Os participantes das três oficinas devem preencher formulário de inscrição, uma vez que as vagas são limitadas. A entrada é gratuita.

Também faz parte da programação o cine-debate gratuito com filmes que retratam tradições e origens indígenas. De 24 a 27 de abril, os interessados podem discutir a representação dos índios no imaginário popular e as demandas sociais deles.

O memorial recebe ainda a exposição Ocupação Culturas Vivas, de 13 de abril a 30 de junho, com entrada gratuita.

A única atividade fora do Memorial dos Povos Indígenas é a exposição de fotografias Yawalapiti – Entre Tempos, em que o fotógrafo Olivier Boels retrata a arte do povo Yawalapiticomunidade do Alto do Xingu, em Mato Grosso. A abertura será em 19 de abril, a partir das 19 horas, no Museu Nacional, ao lado da Catedral Metropolitana de Brasília.

Parceria para tornar Memorial dos Povos Indígenas mais conhecido pela população

O Abril Indígena é organizado pelo Centro de Trabalho Indigenista (CTI), em parceria com a Secretaria da Cultura. A organização sem fins lucrativos venceu o chamamento público, aberto pela pasta em outubro de 2017, para recuperar e dinamizar o espaço cultural.

“Queremos que ele seja um ponto de referência para toda a articulação do movimento indígena e para que a população conheça o que são as vivências dos povos”, explica a coordenadora do projeto pelo CTI, Guta Assirati.

Pelos próximos dois anos, o memorial sediará eventos e ações no âmbito de valorização do patrimônio cultural indígena.

O Termo de Colaboração nº 13, assinado em 23 de dezembro do ano passado, estabelece o repasse de R$ 1,2 milhão, dividido em duas etapas.

O valor referente a 2017, com aplicação em 2018, é de R$ 800 mil. Já para o período seguinte, a destinação será de R$ 400 mil, com aplicação em 2019, a depender da previsão da Lei Orçamentária Anual.

Veja a lista de atividades do Abril Indígena:

EXPOSIÇÕES

Yawalapiti – Entre Tempos

De 19 de abril a 20 de maio

Abertura às 19 horas, com apresentação de flauta sagrada

No Museu Nacional, no Complexo Cultural da República

 

Ocupação Culturas Vivas

De 13 de abril a 30 de junho

De terça-feira a domingo, das 10 às 21 horas (em abril) e das 9 às 17 horas (em maio e junho)

No Espaço expositivo do Memorial dos Povos Indígenas, no Eixo Monumental

 

OFICINAS

A arte da cerâmica

13 e 14 de abril (sexta e sábado)

Das 14 às 18 horas (sexta) e das 10 às 16 horas (sábado)

No Terreiro do Memorial dos Povos Indígenas, no Eixo Monumental

 

A arte da pintura corporal

20 e 21 de abril (sexta e sábado)

Das 15h30 às 19h30 (sexta) e das 10 às 16 horas (sábado)

No Terreiro do Memorial dos Povos Indígenas

 

A arte da cestaria

27 e 28 de abril (sexta e sábado)

Das 16 às 20 horas (sexta) e das 10 às 16 horas (sábado)

No Terreiro do Memorial dos Povos Indígenas

 

CINEMA

Cine-debate

De 24 a 27 de abril

Às 19 horas

Exibição de Índios no Poder e Martírio (terça);  de Para’i e Ex-Pajé (quarta); de Tapayuna e Piripkura (quinta); de Tempo de Kuarup e Índio Presente (sexta)

Também estão previstas atividades como apresentação de luta, bate-papo e exibição de fotos

No Terreiro do Memorial dos Povos Indígenas

 

Fonte: Agência Brasília/ Foto: Tony Winston/Agência Brasília – 5.5.2017

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*