Aumentam denúncias de maus-tratos de animais no DF

De janeiro a março, 41 ocorrências de maus-tratos a animais foram registradas nas delegacias da Polícia Civil do Distrito Federal. Na comparação com o mesmo intervalo do ano passado, houve aumento de 19 casos. Em 2017, foram 136 ocorrências em 12 meses, e, em 2016, 111.

Para a delegada-chefe do Meio Ambiente e de Proteção à Ordem Urbanística (Dema), Mariliza Gomes, os registros têm a ver com a mudança cultural da população.

Em março de 2017, foi criada dentro da Dema a Seção de Combate a Maus-Tratos a Animais

Além disso, a possibilidade de denunciar pela delegacia eletrônica o abandono e a agressão física ou psicológica, entre outras situações, está entre as explicações para a alta dos números.

“A disponibilidade de vários meios de denúncia, por e-mail, telefone e via WhatsApp, ajudou no combate ao crime. Esses delitos sempre ocorreram, mas agora estamos conseguindo ter mais denúncias”, compara.

Outro fator que explica o avanço das ocorrências é a forma como a Polícia Civil tem tratado o assunto: mais direcionada. Em março do ano passado, foi criada dentro da Dema a Seção de Combate a Maus-Tratos a Animais.

Policiais que trabalham em delegacias da área participaram de palestras desde então. A ideia surgiu após reivindicações da população e de organizações não governamentais voltadas à defesa dos animais.

A maior parte das denúncias é feita de forma anônima. Os policiais, quando acionados, observam aspectos básicos como higiene do local, alimentação e se há sofrimento físico ou psicológico do bicho.

“Caso haja suspeita de agressões físicas, o animal é encaminhado para um exame pericial semelhante ao chamado corpo de delito”, explica Mariliza.

Denúncias de maus-tratos de animais

Pelo WhatsApp: (61) 98626-1197

Pelo e-mail: denuncia197@pcdf.df.gov.br

Pelo telefone: (61) 3207-4856

O Batalhão Ambiental da Polícia Militar também pode ser acionado, 24 horas por dia, pelo telefone (61) 3190-5190 e pelo WhatsApp (61) 99351-5736

 

Fonte: Agência Brasília / Foto: Reprodução da internet

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*