Carmen Gramacho (e equipe) transformam 10 anos de leitura em livro

Lançamento de ‘A vida com os livros’ traz para a comunidade escolar o resumo e imagens do projeto de leitura Bibliotecas do Saber, que foi implantado pela Rede Cascol de Combustíveis e, em dez anos, virou referência em todo o DF

Por Amarildo Castro – Olhos atentos, amigos e lideranças do segmento de ensino presentes, alunos sorridentes e espaço arrumado nos mínimos detalhes. Assim foi o ambiente montado na Biblioteca Escolar Comunitária Espaço Rui Barbosa (BECERB) para receber o lançamento do livro ‘A vida com os livros’, trabalho coordenado pela empresária da área de turismo, Carmem Ganzenlevith Gramacho, que, ao longo de 10 anos, sempre deu uma pausa quase que diária de sua atividade de berço para estar à frente do projeto Bibliotecas do Saber, juntamente com a bibliotecária Iza Antunes como voluntárias, à frente do projeto de leitura da Rede Cascol de Combustíveis, que durou uma década.

Várias lideranças fizeram questão de homenagear Carmen Gramacho durante o evento

Para a festa de lançamento, participaram integrantes da Coordenadoria Regional de Ensino de Sobradinho (CRE), que tem à frente o coordenador pedagógico, professor Ricardo Ventura, além de outros professores e diversos apoiadores do projeto. Compareceram ainda ao evento como forma de apoio direto, o marido de Carmen, Amilcar Gramacho, a filha do casal, Milena Gramacho, o neto Amilcar Prado Gramacho,  além de várias lideranças ligadas à educação e alunos da Rede Pública de Ensino, representados por alunos do 5º ano da Escola Classe Sítio das Araucárias (Sobradinho) também marcaram presença, recitando um poema de Augusto dos Anjos para os presentes e homenagearam Carmen com um buquê de flores. Os estudantes daquela escola ainda agradeceram pela chegada do Bibliotecas do Saber no Sítio das Araucárias há cerca de cinco anos.

Alunos da Escola Classe Sítio das Araucárias, de Sobradinho (agachados) foram alguns dos convidados de honra

O livro

Trabalho de 440 páginas tem projeto editorial e edição encabeçados por Carmen Ganzenlevith Gramacho, ao lado de Usha Velasco, que também fez a diagramação e projeto gráfico. Usha, é também filha da jornalista Valéria Velasco (em memória), uma verdadeira ‘guerreira’ pelas causas sociais e luta por uma educação de qualidade. Valéria   escreveu todas as entrevistas da parte um do livro, mas faleceu em 2018, sem poder ver em vida o lançamento daquele que seria mais um de seus trabalhos em parceria com pessoas que buscam uma Brasília melhor.  “A vida com livros” é uma obra digna para ter espaço em qualquer biblioteca pública ou particular. Com texto muito bem redigido, a obra tem fotos belíssimas da fotógrafa Clara Molina, de apenas 19 anos, André Rocha e equipe de voluntários da Rede Cascol de Combustíveis.

Alunos levaram flores para contemplar a dedicação de Carmen e equipe

A tiragem de mil exemplares, inicialmente, vai atender a todas as escolas públicas do Distrito Federal e as 182 Bibliotecas Casa do Saber, e o restante será destinado aos parceiros do projeto.

Principal responsável pela confecção da publicação “A vida com os livros”, Carmen Gramacho explica que a obra é a coroação de um projeto de leitura que durou dez anos. “Este livro é nosso, é dos alunos, do professor, dos parceiros, é de todos”. Carmen vai além: “A gente jamais poderia deixar de registrar por meio de uma publicação, como esse longo trabalho de leitura, que beneficiou mais de 660 mil alunos e outras pessoas em todo o Distrito Federal, seja na zona urbana ou rural foi importante para a comunidade”, comentou.

Sessão de autógrafos com a autora, que teve carinho para atender todos os presentes

Gramacho diz que escrever e confeccionar o livro foi um desafio em equipe, que envolveu diretamente cerca de seis pessoas, e que o projeto para a confecção do livro durou quase quatro anos, tendo o apoio do Fundo de Amparo à Cultura do Governo Federal (FAC). “Lá atrás, planejamos essa obra, mas sem verba. Fomos em busca de apoio e, graças a Deus, deu tudo certo e hoje estamos aqui nesse momento memorável”, citou Carmen no lançamento.

Emocionada, lembrou dos atuais e antigos parceiros no projeto de leitura. “Nunca medimos esforços para que alunos das regiões mais carentes do Distrito Federal e Entorno, ou mesmo pessoas adultas que não estudam, pudessem desfrutar da leitura. Foram 182 bibliotecas instaladas ou reformadas, algumas nos locais mais inóspitos e de difícil acesso. Mesmo assim, nunca desistimos”, analisou. Carmem aproveitou para dizer que o projeto não acabou e que em algum momento ele vai voltar a funcionar, mas, enquanto isso, continua a colaborar com a educação, sempre visitando escolas e algumas das unidades instaladas.

Carmen com o esposo Amilcar Gramacho, Ana Beatriz Golsdtein e seu esposo, o vice-almirante da Marinha, Sérgio Golsdstein

Muitos que foram beneficiados com o projeto por meio das unidades instaladas fizeram questão de agradecer pelo apoio e lembraram da representação do trabalho. “Aqui na CRE de Sobradinho, a Biblioteca Rui Barbosa, do Casa do Saber, foi instalada em 10 de dezembro de 2010. Desde então, não consigo mensurar tamanho ganho para os alunos dessa nossa região”, disse Ricardo Ventura, coordenador pedagógico da Biblioteca Rui Barbosa. Ele comenta que a biblioteca ganhou ar-condicionado, mobiliário, pintura e uma reforma em geral. Ventura ainda enfatiza a legitimidade de leitura que o projeto Casa do Saber trouxe para educação.

Para a bibliotecaria Iza Antunes, que participou do Bibliotecas do Saber desde o início, o lançamento do livro vai ficar para a memória dos leitores e escolas. “Houve um projeto de leitura que durou dez anos, ao longo desse período conseguimos montar ou reformar 182 bibliotecas, sempre deixando o ambiente apropriado para leitura, com equipamentos novos, salas reformadas, computadores e um grande acervo”, disse. Ela ainda lembrou da participação da Rede Cascol de Combustíveis no processo: “Sem isso, não seria possível, e temos muito a agradecer por esse apoio”, citou.

 

Elogios

Beneficiada logo no início do projeto, a Escola Classe do Varjão foi contemplada com uma unidade do Casa do Saber em 2007. A diretora do colégio na época, a professora Ana Beatriz Goldstein, diz que no período a unidade educacional tinha um resultado entre os piores do DF no IDEB, e, que em pouco mais de um ano, os resultados já eram próximos às escolas mais bem-conceituadas do Plano Piloto. “Esse projeto do Casa do Saber só nos trouxe coisas boas e acrescentou muito a milhares de alunos, jamais poderia ser esquecido”, comentou. Ele disse que ainda aguarda a volta do projeto: “Tem que continuar sim”, pediu.

A professora Sandra Alvarenga, diretora da Escola Classe Cerâmicas Reunidas, na região de Formosa-GO, disse que a chegada de uma unidade das bibliotecas Casa do Saber em seu colégio mudou para sempre a relação dos alunos com os livros, e que foi uma melhoria muito importante para aquela instituição de ensino nos últimos anos.

Galeria de fotos

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*