Corujas encantam moradores do bairro Parque das Cachoeiras em Valparaíso

São uma família de seis indivíduos. Hora o pai sai para buscar comida, mas a mãe, essa praticamente não desgruda o olhar sobre os filhos, que são quatro, bem parecidos, quer dizer, quase iguais. Trata-se de uma família de corujas-buraqueiras (Athenecunicularia ou Speotyto cunicularia), que fizera moradia perto de um condomínio de classe média no bairro Parque das Cachoeiras, em Valparaíso de Goiás. Lá, bem pertinho de um dos pontos do  poder na cidade, a Câmara de Vereadores, os pais fizeram moradia há cinco anos e nunca mais arredaram os pezinhos. Ao todo, acompanha o Blog do Amarildo, já foram cerca de seis ninhadas, todas com quatro a cinco filhotes. A recente tem quatro bichinhos.

Aves convivem em harmonia com os moradores

Por ali, o sucesso das aves é total. Um morador fez uma casa de madeira para as ‘quase intrusas’, já que a vegetação no local está cada dia mais escassa. Outros aproveitam para levar comida porque percebem que os bichos estão mais suscetíveis a escassez. E assim a família está feliz e faz a felicidade de pelo menos 500 famílias que de frente para elas vivem.

O banho de sol dos bichos é ‘sagrado’ diariamente

Sobre a ave

A coruja-buraqueira, também chamada caburé-do-campo, coruja-do-campo, coruja-mineira, corujinha-buraqueira, recebe o nome de “buraqueira” por viver em buracos cavados no solo. Embora seja capaz de cavar seu próprio buraco, prefere os buracos abandonados de outros animais, como os dos tatus. É uma coruja terrícola e de hábitos diurnos, embora tenta a evitar o calor do meio-dia. Ocorre do Canadá à Terra do Fogo, bem como em quase todo o Brasil, mas com a exceção da Amazônia. Tais aves chegam a medir até 27 centímetros de comprimento. Vivem, no mínimo, nove anos em habitat selvagem e dez em cativeiro. Coloca geralmente de seis a doze ovos. Costumam viver em campospastosrestingasdesertosplaníciespraias e aeroportos. Os predadores documentados dessa coruja incluem texugosserpentes e doninhas. (Fonte: Wikipedia.orb)

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*