Eleição para diretores – Impugnada, Chapa 2 da Escola Classe 1 da Estrutural nega qualquer irregularidade

Situação em Escola Classe 01 da Estrutural  continua complicada e Secretaria de Educação só reconhece uma chapa apta a concorrer para a eleição de diretores

Voltou a dar o que falar a eleição para a escolha dos diretores nas escolas públicas do DF. Na região do Guará, a bola da vez é a Escola Classe 01 da Estrutural, que até a semana passada tinha duas chapas concorrentes, a Chapa 01, formada pela dupla Suelene Vida de Carvalho e Aurenivea Avelino de Souza e Chapa 2, formada por Raquel Andrade Figueiredo e Marly Lins Marques de Miranda, que buscam a reeleição. Até aí, a questão era somente a disputa pelo cargo, mas logo no início da pré-campanha a Chapa 2 foi impugnada por suposta irregularidades no tempo de regência em sala de aula de uma das concorrentes na Chapa 2, que recorreu e conseguiu a homologação junto à SEDF. Porém, após novas denúncias, de novo a chapa 2 foi impugnada pelo Conselho Eleitoral Geral e não pode concorrer à eleição nesta quarta-feira, dia 27. Com isso, a Escola Classe 01 tem somente a Chapa 01 apta a receber os votos dos pais e alunos e professores. Para ser eleita, a Chapa 01 precisa de 50% dos votos dos professores e alunos (mais um voto), e mais 10% dos votos dos pais.

Na última segunda-feira a reportagem do Blog do Amarildo recebeu denúncias de que a Chapa 2 teria entregue documentos irregulares para provar que Marly Lins Marques de Miranda, teria o tempo de regência em sala de aula exigido pela Secretaria de Educação, que são de no mínimo três anos. Diante das denúncias, o próprio Conselho Eleitoral Geral decidiu agir e impugnar a Chapa 2 pela segunda vez.

Em defesa, Raquel Andrade Figueiredo, da Chapa 2, disse que não houve qualquer irregularidade no processo de entrega dos documentos à Secretaria de Educação , e que a Chapa 2 só não conseguiu a homologação porque de fato a SEDF não considerou como prova de regência parte dos serviços por ela prestados à educação. A Chapa 2 ainda enviou  à Redação do Blog do Amarildo a seguinte nota:

“A Chapa 2, até então candidata à Direção  da Escola Classe 01 da Estrutural, composta por Raquel e Marly vem a público esclarecer que não participará mais da eleição 2019.
Após o pedido de impugnação realizado pela chapa oponente ter sido aceito pela Comissão Eleitoral Central. 
A medida foi tomada em razão do pedido de impugnação ter sido baseado na regra do edital que exige 3 anos de regência de classe e que coordenação não conta como regência para  candidatar à Direção. A Marly tem os três anos, porém parte deles foi substituindo professores enquanto estava em coordenação, e para a eleição de Diretor não serve.
Entretanto, vale ressaltar que nenhuma declaração é falsa.
Sempre primamos pela busca da verdade e em ofertar a toda a comunidade escolar o melhor e sempre com muito respeito. Saibam que estamos e sempre estaremos à disposição de todos para quaisquer esclarecimentos que se façam necessários.
Não forjamos nenhum documento.
E sempre trabalhamos de uma forma honesta pelo bem da comunidade”. Finaliza a nota.

As eleições para diretores de escolas públicas no Guará 

A maioria das escolas da rede ensino oficial do Guará, cidade onde o Blog do Amarildo fez apuração do assunto, terá apenas chapa única concorrente. As exceções ficam por conta do Centro de Ensino Especial do Guará, CED 04, Escola Classe do SRIA (Sia), Escola Classe 01 da Estrutural e do Centro Ensino Fundamental (CEF) 02 que terão duas chapas concorrentes. i tenta por meio da rede social mostrar suas propostas.

A votação para a eleição de diretores ocorrerá durante praticamente todo o dia desta quarta-feira, dia 27, no horário das 7h30 às 21 h. Antes do pleito, as comissões centrais de cada escola, cumprindo as diretrizes de gestão democrática, fizeram a apresentação dos planos de trabalho relativas às esferas pedagógica, administrativa e financeira de cada unidade de ensino, em que haverá também em cada uma delas uma Audiência Pública para discutir essas três linhas de trabalho, visando o biênio 2020-2021, período em que os novos eleitos administrarão as escolas. A posse dos vencedores está marcada para 1º de janeiro do ano que vem.

O quórum necessário para que o pleito seja validado em cada escola é de 50% de comparecimento de professores daquela unidade às urnas e de 10% entre pais de alunos. Estudantes a partir dos 13 anos estão habilitados a votar.

Para o coordenador regional de ensino do Guará, Afrânio Barros, é muito importante para o processo de gestão democrática a participação tanto de professores quanto de pais ou responsáveis por estudantes. “ Convidamos toda a comunidade escolar, docente e discente a participar de todo o processo eletivo, pois esse engajamento só fortalece a educação pública em busca de qualidade”.

Publicidade

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*