Elvis: “A ida de Mossoró para o MDB deixa grupos menores com chances de vitória”

Em entrevista ao Blog do Amarildo, na série com pré-candidatos a prefeito por Valparaíso de Goiás, vereador fala do atual momento político na cidade e reafirma seu nome no páreo para este ano na disputa do cargo principal no Executivo

Por Amarildo Castro – Mesmo em época de virada de ano, com muitas pessoas de férias, a política em Valparaíso de Goiás continua ‘fervendo’. Os últimos fatos na cidade dão conta de que as eleições do próximo mês de outubro serão uma das mais disputadas de toda a história da cidade. Como parte das entrevistas com os pré-candidatos a prefeito da cidade, o vereador Elvis Santos (SD) falou ao Blog do Amarildo sobre o atual momento político na região e reafirmou mais uma vez que seu nome está à disposição do seu partido para concorrer ao cargo de prefeito. No entanto, faz uma pausa para lembrar que não será candidato de si mesmo, e que estará no páreo em definitivo se consolidar um grupo competitivo que busque um projeto em comum para a cidade.

Nascido em Campinas-SP, Elvis morou em Goiânia-GO quando criança com a família, em seguida veio para o Distrito Federal, onde residiu no Recando das Emas antes de chegar à Valparaíso, em 2003. Desde então, nunca mais deixou a cidade, a qual afirma que faz parte da sua história e não tem mais a intenção de ir morar em outro lugar.

Na política, estreou em Valparaíso, candidatando-se a vereador em 2004, quando teve 255 votos. Então, continuou e dobrou a votação em 2008. Em 2012 foi eleito com 787 votos, sendo reeleito em 2016 com quase 1.500 votos.

A seguir, veja a entrevista com o pré-candidato a prefeito.

Blog do Amarildo – A política local após as mudanças, especialmente a ida de Pábio Mossoró para o MDB está meio confusa, quem ganha e quem perde com isso em sua opinião?

Elvis Santos – A cidade continua com muitas demandas não solucionadas, não temos sequer uma rodoviária, então percebe-se que é preciso mudanças e a comunidade também cobra isso. O grupo do prefeito ao lado de Lêda Borges era mais forte, mas não trouxe os resultados esperados. No entanto, o grupo dividido fica mais fraco e fortalece os grupos menores, aqueles que ainda não tiveram a chance de governar. No nosso caso, foi bom, temos chances de vencer com essa nova conjuntura, vai depender de nós, das nossas propostas.

Elvis em reunião com políticos de cidades vizinhas: se eleito, garante que terá excelente relacionamentos com toda a região

Dá para fazer uma prévia de como seriam as eleições do próximo mês de outubro, como enxerga lá na frente?

Acredito que Lêda vá apoiar um dos grupos que já está caminhando. O apoio dela tem peso e será importante. Mas a gente ainda não sabe quem ela vai agregar, tudo ainda está um pouco indefinido. Mas repito, a eleição será mais humana, com chances para os menores.  

O senhor vem dizendo que será candidato a prefeito há dois anos. Não acha que é necessário ter um grupo consolidado para isso?

Sim. Meu nome está à disposição esse tempo todo e continuará. Mas não serei candidato de mim mesmo, só sairei de fato se tiver um grupo forte ao meu lado, e principalmente, se contar com o apoio da comunidade. Uma campanha desgasta muito, tem gasto elevado e não serei candidato por vaidade. Se na reta final tiver alguém melhor que eu, não me importo de compor. Mas repito, meu nome está no páreo.

Com essas mudanças, como enxerga o futuro?

A gente torce para que algum grupo comprometido vença a eleição, mas infelizmente aqui, a gente corre o risco até de alguém sem experiência ganhar, o que piora a situação.

Entre os grupos para as eleições, o senhor já se considera dentro?

Entre os três da reta final, acredito que estamos dentro, temos chances de vencer. Temos um nome ideal, mas ainda é necessário a construção do grupo em definitivo. Ainda pode haver mudanças.

O nome do senhor figura nas redes sociais com uma exposição exagerada em relação à compra do prédio da nova Câmara. Teve muitos problemas na Justiça com isso. Sua imagem não seria prejudicada na época da eleição com esses fatos?

Essa história de que eu afrontei a Justiça na compra do terreno da Câmara não existe. Foi construída para me prejudicar e denigrir minha imagem. Venho provando a cada dia que a minha ação só ajudou a cidade. Temos uma economia mensal que ultrapassa R$ 20 mil reais só com aluguel que antes era pago. O prédio da Câmara hoje é um dos mais bem avaliados na cidade. Então todos ganharam.

Como vê a cidade hoje?

Falta muita coisa, a infraestrutura continua precária. Nem mesmo os bairros considerados nobres não têm infraestrutura. As ruas são esburacadas, locais considerados nobres como o Esplanada III não tem sequer meios-fios. Assim não dá, a população não aguenta e não merece.

Há mais de dez anos percebe-se enchentes na cidade em período de chuvas, especialmente ao lado da BR 040. O que fazer?

Não adianta asfaltar se não melhorar a infraestrutura, é preciso canalizar as águas pluviais. Essa água que desce dos bairros São Bernardo e Jardim Oriente precisa de uma solução, assim como outros locais que passam pelo mesmo problemas. Mas esses assuntos de melhorias, apresentaremos durante a campanha, não é hora de falar disso.

Valparaíso é uma cidade com uma receita limitada, não tem sequer área rural. Dá para fazer mágica com isso?

Basta ter responsabilidade que dá para tocar bem as coisas. A cidade não pode virar as costas para 16 deputados e receber somente um, contar somente com um. É preciso mais jogo de cintura na política para abrir as portas para mais gente na cidade, e assim os recursos terão mais de uma fonte.

A BR 040 é gargalo antigo. Nesta gestão, a iluminação melhorou e chegaram duas passarelas. Mas faltam viadutos. Quem vencer, poderia resolver?

Sim. Dependo de engajamento político como o Governo Federal. Não há nenhuma mágica nisso, é só buscar os caminhos certos que é possível resolver tudo isso em uma gestão.

Com os dois mandatos que o senhor exerceu como parlamentar, acredita que está pronto par ser prefeito?

A cidade é uma grande empresa e ela precisa dar lucro para as pessoas que nela moram. Lucro em serviços e qualidade de vida. Hoje Valparaíso precisa de uma pessoa experiente e bem intencionada para tocar a prefeitura. Nesse momento, os inexperientes precisam se juntar aos experientes de boa índole.

Qual o seu recado para a comunidade?

Quero me doar para a comunidade, como já faço hoje, ajudar trazer o que os moradores precisam. No cargo de prefeito, isso é, além de tudo, uma obrigação. E para isso eu tenho experiência e responsabilidade para fazer o que precisa ser feito. A cidade precisa de dias melhores, e assim me doarei para fazer o máximo. Estou pronto para governar se receber o aval da comunidade.

Publicidade

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*