Guará 50 anos- Saudades de Dona Martha Rochael (parte 2), a grande guerreira pela educação

Por Amarildo Castro – Caros, já era madrugada desta quarta-feira (10). Exatamente às 2h19, me lembrei, já quando iria dormir depois de muitas horas de trabalho, de uma das personalidades que mais me chamaram atenção em meus 30 anos de trabalho, dedicados em maior parte ao Guará-DF. Trata-se de Dona Martha Rochael, a senhora de voz serena, de dedicação extrema à educação, e que por várias décadas esteve à frente do Colégio Ipeb (Instituto Presbiteriano de Brasília), antes, Colibri. Há cerca de quatro anos, escrevi um artigo sobre a vida dessa guerreira aqui neste blog. E por isso estou redigindo como sendo a parte 2 esta homenagem.

Todos os dias passo ali na QE 38, bem ao lado do também conhecido Colégio Rogacionista e vejo diariamente um terreno vazio, vendido para proprietários de um supermercado. Lá, não consigo enxergar nada porque não há nada. Apenas um terreno vazio restou. E para mim que conviveu com Dona Martha durante cerca de 20 anos divulgando sua escola, mesmo que ali construam um edifício moderno, para mim, será sempre um local vazio. Vazio porque ali existiu uma escola, porque muitas vidas por lá passaram em busca de formação. E foram bem formadas, cidadãos para o mundo. Cidadãos do jeito que praticamente não se vê hoje. Ah, no terreno funcionava a escola de Dona Martha. Era simples, mas um modelo para educar gente para o mundo e para Deus.

À medida que se aproxima dos 50 anos do Guará, aumenta o vazio deixado por Dona Martha. A figura firme, serena e de uma estatura de tamanha grandeza, nunca mais verei nos desfiles do Guará. Algumas vezes a vi chorar quando sua turma de fanfara se aproximava do ponto de êxtase do desfile, ali em um palanque em frente à Administração do Guará. O colar de pérolas, a maquiagem discreta e nos mínimos detalhes. O vestido à moda dos anos 60 e 70 não deixavam dúvidas para quem a vesse mesmo de longe: era Dona Marta Rochael, uma figura que marcou toda uma geração na Educação do Guará. Enquanto teve saúde, ela nunca perdeu um só desfile.

Enquanto tinha saúde, Dona Martha nunca deixou de participar de um só desfile do Guará

Mais tarde, o mundo moderno, e a velocidade da tecnologia tornou a vida de Dona Martha mais difícil. De tanto ajudar, precisou de novos rumos. Mas Deus a quis com ele, sua tarefa já estava cumprida na Terra, e feliz de quem conviveu com ela.

Mas a história parece disposta a esquecer os que muito fizeram para a cidade. Nunca mais vi alguém mencionar no Guará a sua importância para a cidade. Exceto aqueles que em silêncio guardam seus ensinamentos, que foram de exemplo, de grandeza e humildade.

Aqui fica uma sugestão: Dona Martha merece ser lembrada nos 50 anos do Guará, e se ninguém o fizer, aqui faço eu, nesse singelo e virtual espaço. Que Deus a tenha ao seu lado, para que assim, continuamos aqui na Terra acreditando que um dia alguém fez com firmeza pelo Guará aquilo que toda cidade merece. Dona Martha, obrigado por tudo, e que seus ex-alunos e familiares possam desfrutar a vida toda de seus valiosos ensinamentos!

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*