Paracatu-MG / Primo de vítima morta em bárbarie com quatro assassinatos relata clima de tristeza e revolta na cidade

Homem armado com uma garrucha invadiu templo evangélico e assassina três fiéis. Antes, matou a facadas a ex-namorada. Tarde de dor na cidade mineira, distante 240 quilômetros de Brasília

Por Amarildo Castro – Após a tragédia que assolou a cidade de Paracatu na última noite de terça-feira (21), cidade mineira que fica a menos de 250 quilômetros de Brasília, José dos Reis (o Zezão), primo de Marilene Martins de Melo, uma das pessoas assassinadas por Rudson Aragão Guimarães (foto acima) dentro da Igreja Shalon, no Bairro Bela Vista, afirmou ao Blog do Amarildo que a situação sobre o crime dispensa comentários, de tamanha a brutalidade. “Esse rapaz a gente o tinha como família, ele tomava bênção de mim e me chamava de tio. Relata ainda que Marilene já era avó, e uma mulher honrada e muito dedicada à família e a Deus”. Completou ainda que não é porque Marilene morreu que ele agora a está elogiando. “Ela era isso mesmo o que eu estou falando, essa pessoa boa que morreu sem ter nada a ver com a situação”.

Populares se reúnem na Funerária São João para prestar homenagens às vítimas na tarde desta quarta-feira (23)

José Reis afirmou ao Blog do Amarildo na manhã desta quarta-feira (23), que o clima na cidade é dos piores possíveis, com muita gente triste e um entra e sai no velório das vítimas o tempo todo, com muita gente chorando e outros demonstrando revolta. Por sua vez, o velório está sendo realizado na Funerária São João e o enterro está programado para as 17h. Zezão relata que a tristeza em seu caso é dupla porque há 40 dias perdeu uma sobrinha de apenas 16 anos brutalmente assassinada em Unai-MG por duas adolescentes, supostamente por ciúmes de namorado.

O crime de Paracatu – Na última terça-feira (21), o ex-frequentador da Igreja Batista Shalon, Rudson, Aragão invadiu o templo portando uma garrucha e atirou contra vários fiéis. O homem acusado do crime tem 39 anos, é ex-militar da Aeronáutica. De acordo com informações divulgadas na mídia, ele teria sido atingido no olho por um policial militar da cidade, e em estado grave, foi encaminhado para uma unidade de saúde local, mas não havia até o fechamento desta reportagem informações sobre o estado de saúde do homem. Antes, ele matou uma ex-namorada a facadas supostamente na casa dela, e em seguida invadiu o templo atirando nos fiéis,

Na igreja, o alvo seria o pastor do templo. No entanto, as informações sobre o religioso é que o agressor não conseguiu atingí-lo, mesmo assim, ele teria ferido o pé sem muita gravidade durante fuga. Porém, antes, matou a tiros duas idosas na chegada, assassinando ainda uma terceira pessoa que teria tomado como refém. Informações da mídia local informam que populares teriam tentado linchar o suspeito, mas foram contidos pela Polícia Militar

À mídia, o porta-voz da Polícia Militar, major Flávio Santiago, informou que os militares em patrulha evitaram um massacre, pois 20 pessoas estariam no tempo e ainda haviam cerca de três a quatro munições intactas.

As vítimas mortas, segundo o Jornal Estado de Minas, foram identificadas como Rosângela Albernaz, de 50; Marilene Martins de Melo Neves, 52; e Antônio Rama, 67, pai do pastor Evandro Rama, que celebrava o culto no momento da ocorrência.

Com aspecto de fabricação rude, a arma usada pelo suspeito dispara apenas um tiro, segundo informação repassada pela polícia à mídia.

Em Brasília, rapidamente o tema viralizou. Em vários grupos de WhastsApp, um áudio acompanhado de fotos informava que a cidade de Paracatu teria virado um ‘inferno’ com o ataque, e que as pessoas estariam com medo.

Edi Carlos, ex-morador de Paracatu  e ex-jogador do União Esporte Clube, time da cidade, lamenta a tragédia

Ex-morador de Paracatu, e hoje morando no Guará, Edi Carlos recebeu a notícia com muita tristeza. “Morei naquela cidade três anos quando era atleta profissional e defendia o União Esporte Clube’’.

Texto de Amarildo Castro com informações da grande mídia e foto reprodução/redes sociais

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*