Protesto contra o feminicídio na Candangolândia reúne cerca de 80 pessoas e participação de deputado

Por Amarildo Castro – Um protesto contra o crime de feminicídio reuniu na tarde deste domingo (12), moradores da Candangolândia e região. A ação foi coordenada por Vanusa Lopes  e teve como foco pedir justiça para crimes contra as mulheres, especialmente após a morte da jovem Larissa Maciel, de 23 anos, morta entre as Quadras 2 e 4, na Candangolândia no último dia 6 de janeiro. A caminhada teve início nas proximidades onde Larissa foi assassinada, Na Quadra 2 e percorreu algumas ruas da cidade, até a Praça da Bíblia, local de encontro da comunidade.

Grupo percorreu ruas da Candangolândia antes de chegar à Praça da Bíblia

Presente no evento, o deputado Chico Vigilante (PT) também pediu Justiça nos crimes de feminicídio. “Eu na verdade, estou aqui também para pedir aos homens para que não tratem assim as mulheres, é preciso mais atenção, e se necessário mais tolerância”, comentou. Para ele, é preciso mais ação, porque nem mesmo a Lei Marinha da Penha está resolvendo o problema da violência contra as mulheres.

Vanusa Lopes esteve entre as organizadores: combate a todas as formas de violência contra a mulher

Vanusa Lopes, uma das organizadoras, disse à reportagem que é preciso trabalhar mais em prol da causa contra o feminicídio. “Vivemos o ranço desse tipo de crime, seja praticado por namorados ou esposos. A mulher é muito maltratada, e a gente assiste tudo isso, todas as formas de violência contra as mulheres, por isso, precisamos avançar e muito”. Vanusa disse que foi convidada por Jacira Silva, que lidera o Instituto Comunidade Praia Verde, e uma ferrenha defensa da causa das mulheres, e que de imediato aceitou participar da organização porque a causa é justa e urgente.

Jacira Silva, do Instituto Comunidade Praia Verde : pedido por justiça

Por sua vez, Jacira cita que o crime Bárbaro contra Larissa merece uma atenção especial pelo requinte de crueldades imposto por quem tirou sua vida. “Isso merece punição, e estamos aqui para cobrar, não pode passar em branco um crime com tamanha crueldade contra essa jovem moradora dessa região”, disse.

O deputado Chico Vigilante pregou mais tolerância às mulheres e cumprimento da Lei Maria da Penha

Sobre Larissa, morta no dia 6 de janeiro de 2020

Morta no último dia 6 em uma tenda na Quadra 2 da Candangolândia, Larissa Maciel teve roupas e parte do corpo queimados. A 11ª DP investiga o caso e aponta como suspeito o namorado da jovem. Enquanto isso, moradores da Quadra 2 da Candangolância, como senhor João Luiz  pede a retirada da polêmica tenda onde Larissa foi morta. “Isso é um ponto de drogas e de vagabundos, tem que tirar isso daí”, resume.

Continua após publicidade

Galeria de fotos

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*