Soldado acusado de matar ex-namorada no DF vai a julgamento dia 29/4

Foto: Globo/Reproduação

Por Davi Moreira dos Santos (jornalista 0 DF 2436/JP) – No dia 29 de abril, a partir das 9h, acontecerá, no Tribunal do Júri do Fórum da Ceilândia, o julgamento do ex- policial militar Ronan Menezes do Rego. Ronan foi acusado de matar a ex-namorada Jéssyka Laynara, de 25 anos, e atirar contra o professor Pedro Henrique Torres de 29 anos, com quem acreditava que Jéssyka estava tendo um caso.

Esse fato foi de grande repercussão não só no Distrito Federal, onde aconteceu, como também na imprensa nacional (reportagem exibida no fantástico em 12/08/2018, conforme link a seguir https://globoplay.globo.com/v/6940105/programa/ e início em 4’52” do VT)

Apesar ir a julgamento somente dia 29 de abril, 08 meses após o fato que originou este processo, 04/05/2018 Ronan, que era policial militar, se tornou ex-policial em virtude de decisão publicada pelo Comando Geral da PMDF no dia 07 de março do corrente ano.

O RITO DO TRIBUNAL DO JÚRI

Para a realização do tribunal do júri, são convocadas 25 pessoas, representantes da sociedade, dentre as quais 07 serão escolhidas para dar o veredicto. Cabe aos jurados decidir sobre os crimes imputados ao acusado e ao juiz proferir a sentença e fixar a pena em caso de condenação.

A abertura da sessão plenária é feita pelo juiz que procederá ao sorteio dos jurados. Após o sorteio, os jurados se comprometem, sob juramento, à analisar a causa de acordo com a própria consciência e justiça. Após isso, o juiz declarará instalado o Conselho de sentença, que é a composição dos jurados.

Ato continuo, o juiz irá fazer a leitura da acusação para que os jurados tenham conhecimento dos fatos sobre os quais julgarão.

Lida a acusação, serão ouvidas as testemunhas arroladas pelo Ministério Público (11 testemunhas) e na sequência as testemunhas arroladas pela defesa (10 testemunhas). Em seguida será realizado o interrogatório do réu, onde o mesmo terá oportunidade de falar sobre os fatos.

Encerrado o interrogatório do acusado, será dado início aos debates, iniciando pelo Ministério Público. O promotor conta com 1h30 para sustentar oralmente a acusação, tempo do qual, nesse processo, ¼ será compartilhado com um assistente de acusação contratado pela família da vítima Jéssyka. A defesa também terá o mesmo tempo para sustentar oralmente e defender sua tese. Ambos ainda poderão fazer uso do direito de falar, sendo 1h para o promotor em réplica e 1h para a defesa em treplica.

Concluídos os debates, os jurados serão conduzidos para uma sala secreta onde receberão um questionário com uma série de quesito sobre os fatos e procederão a votação. Encerrada a votação, os jurados voltarão ao plenário e após conhecer a decisão dos jurados, juiz proferirá a sentença.

A DEFESA

Apesar da acusação ser de feminicídio, com grande repercussão na imprensa, a defesa do acusado ficará a cargo de uma mulher, a advogada KELLY MOREIRA, 35 anos. Já com vasta experiencia em casos de grande repercussão no Distrito Federal, apesar da pouca idade, a advogada vem construindo a sua reputação profissional, a sua credibilidade e o seu profissionalismo com muita seriedade, fato que tem atraído clientes não só do Gama onde se encontra o seu escritório profissional, como também de outros estados e outras cidades satélites, como é o caso.

Além desse, é importante mencionar, a titulo de esclarecimento sobre a reputação da advogada, os seguintes casos, não como promoção pessoal e nem com preferência a veículo de comunicação:

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*