Time com participação de profissionais do Real Madrid leva garotos do Guará para treinar no Paraná

Gabriel e Guilherme estão entre os selecionados para novas provas na sede da equipe no Paraná

Grupo de empresários do Rio de Janeiro investe pesado na categoria de base. No Guará, firma parceria com a Escolinha Bom de Bola e seleciona atletas mirins para compor elenco. Antes, passarão por novos testes

Por Álvaro Pereira – O sonho de entrar para o futebol profissional é um dos principais objetivos de boa parte dos garotos do país. E, no Guará, não é diferente. Agora, por meio de uma parceria com o time de base do Azuriz, equipe com sede em Marmeleira-PR, os atletas destaque da escolinha têm a chance de treinar numa equipe profissional. E o trabalho já começou. Nos dias 12 e 13 de novembro o representante do Azuriz Futebol Clube, Fábio Hackenhaar esteve no Guará, onde pré-selecionou dois garotos para participar de uma prova definitiva junto ao elenco da equipe no Paraná. Por questões de marketing e para proteger os atletas, tanto Fábio Hackenhaar como Edi Carlos, diretor da Escolinha Bom de Bola, preferiu não divulgar o nome dos atletas.

O Azuriz – cujo nome é uma homenagem a uma ave bastante comum no Paraná, o Azuriji, que é a gralha azul – surgiu da iniciativa de um grupo de empresários do Rio de Janeiro, que se associaram a empreendedores desportistas dos EUA e de Madri (capital da Espanha), e que tem a participação do craque da Seleção Brasileira Marcelo no negócio.

Segundo informou Hackenhaar, um dos inúmeros olheiros que fazem esse trabalho em todo o Brasil com a garotada da faixa etária dos 10 aos 15 anos, o Centro de Treinamento Gralha Azul, situado naquele município paranaense, possui uma estrutura com quatro campos de tamanho oficial, equipado de alojamento para 64 atletas. De acordo ainda com ele, o clube investiu cerca de R$ 10 milhões no empreendimento. Com apenas um ano no mercado, segundo o representante da agremiação, que também é preparador físico, o trabalho já rendeu a descoberta de 12 promessas que já estão inseridos em clubes de expressão do cenário nacional.

Fábio Hackenhaar com Edi Carlos no sintético a QE 38 durante as avaliações: bons frutos pela frente

Seleção rigorosa

Fábio Hackenhaar explica que, após a seleção preliminar feita em Brasília, onde o clube firmou uma parceria exclusiva com a Bom de Bola, os pré-selecionados ainda vão passar por outro teste lá em Marmeleira quando serão observados em atuação com o elenco.

Fábio disse que o Azuriz dispõe de toda uma equipe de profissionais que dão suporte a estada da garotada. Médicos, fisioterapeutas, psicólogos, assistentes sociais e nutricionistas dão todo o respaldo no trabalho com os jovens. “Tudo é feito com o máximo de seriedade, responsabilidade e profissionalismo. Afinal, estamos lidando com o futuro de jovens atletas, que estão sendo avaliados e, comprovado o talento de cada um, serão inseridos em clubes de grande expressão do Brasil e do Exterior futuramente”.

Com critério rigoroso, garotos foram avaliados durante dois dias, mas ‘funil estreito’ elimina maior parte dos aspirantes e dá chances àqueles que realmente demonstram mais familiaridade com a bola

Brasiliense brilha no Azuriz

Os brasilienses que forem selecionados se juntarão à outra jovem promessa do DF. Trata-se de Gabriel Pfeiffer, oriundo também da Escolinha Bom de Bola, que atua na equipe sub15 do Azuriz. Segundo Fábio, a escolha de Gabriel  foi indicação de Edi Carlos, que acabou sendo aprovada pelo clube.

Fábio diz que teve a grata surpresa em observar que Brasília tem um celeiro de bons jogadores. “Se as escolinhas de futebol olhar com atenção para a garotada daqui vão descobrir grandes talentos latentes”, revelou o esportista, acrescentando que os dois escolhidos ocorreu durante a pré-seleção da manhã do dia de hoje (13), faltando ainda a peneira da tarde.

Cidadãos respeitáveis

Há 15 anos no Guará, o diretor da Escolinha Bom de Bola, Edi Carlos, diz que, acima de tudo, é fiel ao lema que norteia o seu trabalho com a meninada. “Aqui conscientizamos e alertamos os jovens sobre os perigos das drogas, da pedofilia, da discriminação racial. Orgulha-nos muito saber que fizemos parte da história bem sucedida de muitos que passaram por aqui. Se não conseguimos formar muitos craques tivemos a grata satisfação de ter tido entre nós hoje engenheiros, advogados e outros profissionais e cidadãos respeitáveis. O nosso objetivo é formar atletas e cidadãos para o futuro”.

Com relação ao trabalho com o atleta, Edi Carlos diz que redobra sua atenção. “Não procuramos criar expectativas ilusórias com os nossos jovens atletas, pois lidar com os sonhos desses meninos é uma coisa muito séria; não podemos brincar com essa perspectiva, por isso nos associamos a uma empresa séria e comprometida com os mais altos valores profissionais”.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*