PERFIL – Wesley Moura, de vendedor de jornal a empresário de sucesso

Conheça a trajetória do jovem contador que, com muito trabalho e esforço, superou muitos desafios na sua carreira. Ex-morador do Guará, continua ligado à cidade por meio de projetos sociais e amizades

A criança que viu o pai vencer na vida por meio do estudo, hoje distribui sopa e contribui para o fomento no esporte e na cultura. Esse é o brasiliense Wesley Moura. Casado, pai de uma menina, o contador, sua trajetória em Brasília começou no Guará, marcada desde cedo pelo trabalho. Na década de 90, ainda com dez anos, sua primeira experiência profissional foi vendendo jornal na rua. Bem cedinho, lá ia ele com um montão de jornais debaixo do braço à procura de clientes. Tímido, mas preparado para lutar, usou na época a voz para convencer: ‘Olha aí o Correiooo’. E assim foram quase dois anos pelas ruas do Guará, cidade onde chegou com apenas cinco anos, vindo da Cidade Ocidental, no Entorno do DF. Mas o pai, senhor Valdemar Walter, nasceu em Teresina-PI e a mãe, dona Maria Altair é de Tocantins-GO. Lá, na Ocidental, o pai foi pintor e motorista de ônibus. No Guará, Wesley veio com os pais e morou na cidade por 15 anos, tendo estudado nas principais escolas do bairro, incluindo colégios públicos como o GG e particulares, entre eles o Rogacionista e o antigo Compacto, hoje Maxwell.

Depois da infância de muitos desafios, e de ver o pai, Sr. Valdemar formar-se em Contabilidade, o jovem Wesley, mantendo a humildade e o mesmo esforço da família, formou-se também no mesmo ramo, e, com muito esforço, ajudou a alavancar o negócio da família, um escritório de Contabilidade no Lago Sul, que hoje conta com 14 funcionários. Com uma vida financeira estável, seguiu o caminho social, colaborando com crianças e jovens carentes e ajudando na Educação. Isso muito antes de pensar em política. Faz atividades na área há mais de seis anos.

Mas Wesley vê como saída para o Distrito Federal uma renovação na Câmara Legislativa. Assim, seu nome está à disposição no grupo de Izalci Lucas para a disputa de uma vaga na CLDF este ano. Filho de um pai católico e de uma mãe que é pastora evangélica, o pré-candidato a deputado distrital tem percorrido o DF em busca de motivar os eleitores a não desistirem da política. Wesley Moura tem como prioridade política: o esporte, a cultura, o lazer, a geração de emprego e renda e o atendimento social a quem precisa. O início da sua caminhada na política se deu por meio dos projetos que desenvolve.  A seguir, veja a entrevista com Wesley Moura.

GuaráHOJE – Quem é o Wesley Moura? O que faz?
Wesley Moura: Sou contador, pai de uma menina que fará 10 anos agora em julho e sou casado. Me considero uma pessoa simples, pois sou de origem pobre. Meu pai foi cobrador de ônibus, pintor e minha mãe era dona de casa. Sou de Brasília, mas quando nasci meus pais moravam na Cidade Ocidental, em Goiás. Morei lá até os 6 anos. Nós éramos uma família humilde. Depois meu pai começou a estudar e se formou em contabilidade. Ele foi conseguindo muitos clientes e foi fazendo seu nome. Com o seu sucesso, meu pai conseguiu trazer a família para morar no Guará. Eu tinha 6 anos na época. A memória da minha infância é no Guará. Foi aqui que comecei a trabalhar aos 10 anos entregando jornal. Naquela época, podia trabalhar já com essa idade. A minha carteira de trabalho foi assinada quando eu tinha 12 anos como office-boy. Hoje é crime fazer isso. Andei muito da Asa Sul para a Asa Norte e vice-versa. Muitas vezes eu fazia esse trajeto a pé para economizar vale-transporte. De office-boy fui para auxiliar de receita fiscal. O engraçado que era um escritório de contabilidade…

Já começou a seguir os passos do pai?
Já. Sempre seguindo os passos do meu pai. Trabalhei num outro escritório de contabilidade na Asa Sul antes de começar a trabalhar com meu pai. Depois que me formei foi quando o meu pai me convidou para trabalhar com ele. Quando eu comecei a trabalhar com ele atuei na captação de novos clientes. Eu estava cheio de ideias novas. Eu até consegui mudar o nome da empresa dele e expandi a área de atuação da empresa. Hoje, nós somos especialistas em lucro real e aqui em Brasília poucos escritórios atuam nessa área da contabilidade.

Você modernizou a empresa da família, como fez isso?
Comecei mudando o nome para Evolução Contábil. Antes era Walter Contabilidade. Eu busquei dar uma nova roupagem na empresa dele e inovar também. Hoje podemos dizer que somos um dos maiores escritórios de Contabilidade de Brasília. Atendemos mais de 400 empresas, em especial o comércio.

E como surgiu esse seu envolvimento ou vontade de entrar para a política? Por que decidiu se candidatar a uma das vagas na Câmara Legislativa?
Eu acho que já vem de família.

Por que?
Eu tenho um tio que já foi prefeito por quatro vezes em Tocantins, na cidade de Novo Acordo. Hoje, meu primo é o vice-prefeito de lá. Então, eu acho que a política já está no sangue. Mas devo confessar que eu nunca pensei em ser político. Eu sempre gostei de me envolver com trabalhos sociais. Minha mãe congrega em uma igreja evangélica e eu sempre gostei de ajudar…

Qual sua religião?
Eu falo que eu sou cristão. Meu pai é católico e minha mãe, hoje, é pastora. Mas, minha mãe era católica. A mãe dela, minha vó era daquelas de ir à igreja todos os dias assistir à missa. Hoje, minha mãe, tem a própria congregação dela que é a Deus Proverá. E foi por meio dela que comecei a me envolver com projetos sociais. Porém eu nunca fui a pessoa que estava à frente desses projetos. Isso era com ela.

E como seriam esses projetos?
Esses projetos atuam muito com a distribuição de sopas. Hoje desenvolvemos esse projeto em sete cidades do DF. No Paranoá, onde há uma igreja da minha mãe, tem 5 anos que esse projeto é desenvolvido e eu estou a 3 anos à frente dele. Muitas vezes já fomos para a Rodoviária…

Você acompanha a distribuição da sopa?
Sim. Não estou em todas as distribuições, mas sempre quando consigo eu vou. E gosto de eu mesmo ir lá e fazer. Mas, além desse trabalho voltado para a distribuição da sopa, eu também atuo emprojetos voltados para o esporte e a cultura. Eu sempre gostei desses dois segmentos, até porque as pessoas desse setor promovem seus eventos sem a ajuda do governo.

 

E como se dá esse seu envolvimento com esses projetos? Tem alguma
cidade específica?
Atualmente, eu acompanho projetos em todo o Distrito Federal. No esporte, eu comecei no Guará ajudando os campeonatos amadores de futebol. Hoje apoio projetos na Estrutural, em Ceilândia, em São Sebastião e no Paranoá. Agora, na área da cultura, posso dizer que chega a ser em toda a Brasília. Eu apoio as quadrilhas juninas em quase todas as regiões administrativas do DF.

Wesley em foto alusiva aos tempos em que vendia exemplares do Correio Braziliense: garoto trabalhador desde cedo

Então, podemos considerar que esses projetos te levaram a se envolver com a política e hoje ser pré-candidato a deputado distrital?
Sim. Um dos motivos são esses projetos. Faz um tempo que já venho trabalhando tanto com o projeto social, como na cultura, como no esporte. Então esses projetos me tocaram. Pensei comigo que seria a hora de poder contribuir muito mais com eles e a maneira que poderia expandir essa minha atuação seria por meio da política.

Como você vê o atual cenário? Teve alguma decepção?
Eu acho que a decepção é geral. As pessoas estão desacreditadas com a política de hoje. Atualmente, muitas pessoas têm dito que não vão sair de casa para votar. E isso é ruim. As pessoas precisam saber de política e estar na política. Hoje, tudo passa pela política. O atual cenário desagrada a todos. As pessoas não querem sair de casa, mas elas precisam participar para poder mudar. Essa coisa de votar em branco ou anular o voto é ruim para todos nós. Essa atitude só vai beneficiar quem já está no poder.

O que o DF precisa?
Hoje, o que tenho constatado por aí é a falta de emprego para a população de um modo geral. Brasília precisa de uma política que reduza a carga tributária, visando atrair a vinda e a criação de novas empresas para gerar mais emprego e renda. O DF precisa oferecer incentivos fiscais para que as empresas se interessem por nossa cidade. Nós temos que dar dignidade para as pessoas. Hoje um pai de família que volta para casa sem o seu pão de cada dia, ele não tem dignidade. Eu sei que se me eleger eu não vou conseguir fazer isso sozinho, mas eu posso ajudar a mobilizar as pessoas para que o governo faça isso. Recentemente, cerca de 28 mil empresas fecharam em Brasília. Se conseguirmos resgatar isso e trazer as empresas que foram para o estado de Goiás, por exemplo, já sairemos vitoriosos.

Então considera um problema a carga tributária?
Com certeza. Vimos muitas empresas fecharem as portas, justamente, devido à alta carga tributária. Se você for num shopping desse qualquer, você verá que grifes e empresas grandes, de renome, fecharam aqui em Brasília.

Essa seria uma de suas bandeiras?
É uma bandeira minha porque eu vivencio isso cotidianamente. Eu sou defensor que a reforma tributária seja feita o mais rápido possível. Sei que esse é um tema já em nível de governo federal, mas o governo do DF pode dar a sua contribuição reduzindo os encargos tributários. Eu vejo que além disso, muitas cidades ou regiões do DF ainda falta infraestrutura, falta saneamento, falta educação, falta saúde, falta cultura, falta lazer, falta desenvolvimento econômico. Enfim, está faltando um pouco de tudo. Por isso defendo a renovação.

E qual seria a sua mensagem para o eleitor brasiliense?
Hoje eu digo que o eleitor tem que sair de casa. Tem que votar. Se não está satisfeito, só tem um jeito: indo votar. Vamos fazer valer. Vamos acreditar em novas pessoas.

Como enxerga a política?
Eu estou aprendendo a ser político. Eu sou muito natural. Eu, por exemplo, não sei prometer uma coisa que não vou cumprir. A minha família sempre me ensinou que a gente nunca deve mentir. Eu sempre gostei de lidar com a verdade. Eu sou muito sincero com as pessoas. E isso tem feito com que eu consiga convencer as pessoas a irem votar. Tem muita gente que me diz que não vai votar e depois que eu converso e exponho as minhas propostas, graças a Deus, elas têm mudado de opinião.

PUBLICIDADE

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*