Prefeitura de São Paulo retoma o Festival Internacional de Circo (FIC )

Até 17 de abril, o público poderá prestigiar a arte circense em diversos bairros da capital paulista. Tudo sem gastar um real

O Circo invade a cidade de São Paulo com uma intensa programação de espetáculos, mesa de debates e oficinas, tudo de graça! A programação do FIC – Festival Internacional de Circo – 4 Edição vai até 17 de abril e pode ser conferida no site: www.festivalinternacionaldecircosp.com . O evento é realizado pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, em parceria com a Associação dos Amigos do Centro de Memória do Circo. Arte.

Esta quarta edição do Festival Internacional chega após intensa movimentação da categoria. O FIC é um Festival conhecido por ser pensado e realizado por artistas e representantes da Arte Circense, dispostos a fortalecer e conquistar políticas públicas para esse segmento. Esta edição é uma conquista da classe, e também o evento mais esperado pela categoria por propiciar visibilidade e reconhecimento, além de gerar trabalho e renda para um número excepcional de trabalhadores da cultura.

Na ribalta do FIC – Festival Internacional de Circo – 4.ª Edição, mãos femininas, as mesmas mãos que estiveram nos bastidores e picadeiros dos Circos em edições anteriores, estão à frente, administrando todas as questões de produção, concepção, curadoria e direção. Com esta sensibilidade, o festival pela primeira vez vai para todas as regiões da cidade, levando a arte circense para diversos bairros, inclusive para a periferia.

ALTISSONANTE – CARLOS GUELLER

FIC – Festival Internacional de Circo – 4.ª Edição conta com 71 atrações, que estarão espalhadas por toda a cidade e também disponíveis online. Entre os locais que recebem a programação estão o Centro de Memória do Circo, Tendal da Lapa, Teatro Flávio Império, Comunidade Cultural Quilombaque, Teatro do Contêiner e praças públicas da periferia. No dia 27 de março, data em que se comemora o Dia do Circo, o FIC realiza uma ação inédita, proporcionando espetáculos gratuitos para a população em todas as Lonas de Circo presentes na Cidade de São Paulo. O festival fechou uma parceria com o Planet Circus, o Las Vegas, o Circo de Roma, Circo Miller, Orion Circus e o Circo Mix, reservando 100 ingressos em cada um deles. Neste dia tão significativo, crianças de todas as idades poderão se divertir com palhaçadas, malabarismos, equilibrismos e mágicas.

Outros destaques da programação são os espetáculos criados com exclusividade para o FIC – Festival Internacional de Circo – 4.ª Edição, entre eles “Ponto e Linha”, que traz para a cena uma criativa interação entre artistas gordos e magros. Já “Salto Alto” mescla diferentes técnicas circenses e muito humor para valorizar as mulheres reais e poderosas, que mesmo sofrendo algum tipo de preconceito, entende que deve levantar a cabeça e seguir com orgulho de quem é. Também tem “As Pretas Ditas”, que apresenta o universo das mulheres pretas, o cotidiano da guerreira, da mãe, das forças da natureza como a água doce e o trovão. Com uma narrativa doce e fluída, o espetáculo leva ao público números circenses para ilustrar esse momento de empoderamento que as mulheres pretas estão vivendo.

O Circo além dos picadeiros

Além dos espetáculos presenciais, o público pode prestigiar atrações online através do canal oficial do festival no Yotube: https://bityli.com/FlNcb. São documentários, espetáculos e outras obras sobre o atual momento do circo no Brasil e no mundo, que investigam e abordam temas importantes como a negritude, transgeneridade, situação polílica e a mulher. Entre os artistas e grupos que que terão seus trabalhos exibidos estão Coletiva Caixa de Pandora, Los Nadies Circo, Colectivo La Patagollina, Ninha Almeida, Eliza Nilaja, Cia do Sufoco, Cie L’Oublié(e) e Cia Fundo do Mundo.

SERVIÇO

O quê: FIC – Festival Internacional de Circo – 4ª Edição

Quando: 23 de março a 17 de abril

Para quem: Crianças de 0 a 200 anos são bem-vindas

Quanto: Grátis – Os ingressos são distribuídos com 01 de antecedência

FIC Pela Cidade – Regiões Atendidas:

Região Central (Centro Histórico, Bom Retiro, Santa Ifigênia)

Zona Norte (Perus, CH Eduardo Gomes)

Zona Sul (Parelheiros, Jardim Sabará, Ipiranga)              

Zona Leste (Cangaíba, Cidade Tiradentes, Guaianases, Jardim Popular, Vila Paulista)

Zona Oeste (Água Branca, Lapa)

Confira a Programação do FIC – Festival Internacional de Circo – 4.ª Edição

Dia 23/03

17h30 – Espetáculo Mulher do Circo

Corredor do Centro Cultural Olido, na Av. São João, 473, Centro – 40 minutos – Livre

Este espetáculo integra números de circo, música e poesia, executados por mulheres de diferentes gerações interagindo. Em formato de sarau, ele traz para a cena uma grande homenagem às mulheres do circo de diferentes gerações.

18h20 – Sarau Poético

Corredor do Centro Cultural Olido, na Av. São João, 473, Centro – 40 minutos – Livre

Neste projeto serão apresentados poemas e textos sobre a mulher do circo, interpretados e recitados por artistas mulheres circenses. Os autores escolhidos foram Ferreira Gullar, Mário Quintana, Jorge Amado e Rachel de Queiroz.

19h10 – Varietè Circense

Corredor do Centro Cultural Olido, na Av. São João, 473, Centro – 40 minutos – Livre

Aqui o público poderá prestigiar diversos números circenses criados sob o olhar feminino, entre eles acrobacias, equilibrismos, ilusionismo e aéreos.


24/03

14h às 17h – SEMINÁRIO DE PESQUISA MULHERES NO CIRCO – Centro de Memória do Circo – Av. São João, 473, Centro

Mediação: Mário Bolognesi e Walter de Sousa

MESA 1 – A Bela e as Feras

Convidadas: Verônica Tamaoki e Irma Guranyi
Diálogo da adestradora Irma Guranyi conduzida pela pesquisadora Verônica Tamaoki que, desde 2008, vem realizando pesquisa sobre a trajetória de Irma e de sua família no circo. Filha de Zoltan Guranyi, um dos mais destacados adestradores do circo brasileiro, e casada com o adestrador Jorge Marzer, Irma foi uma das poucas mulheres a se apresentar na jaula com oito leoas.

MESA 2 – Encontro de Palhaças

Convidadas: Andrea Macera e Maria Silvia do Nascimento

O encontro de duas mulheres e palhaças fecundou outro, ainda maior: o Encontro Internacional de Mulheres Palhaças de São Paulo. Com edições desde 2013, promovem mesas de debates, espetáculos, cabarés, entre outras oportunidades de reflexão com a presença de mulheres na palhaçaria.

19h – ENCONTRO VIRTUAL – Entre cavalos e canhões: mulheres circenses no brasil do século XIX

Exibição no Youtube: https://bityli.com/FlNcb

Mediação: Mário Bolognesi e Walter de Sousa

Convidadas: Ermínia Silva e Daniel de Carvalho Lopes

A atuação das mulheres nos circos no Brasil do século XIX, as representações traçadas sobre suas realizações, o “feminino” e o significado da mulher circense nas artes e na sociedade da época. Neste encontro, serão abordadas as variadas participações das mulheres nos espetáculos, seja nos números equestres e aéreos, de malabarismo e equilibrismo.

25/03

14h às 17h – SEMINÁRIO DE PESQUISA MULHERES NO CIRCO

Centro de Memória do Circo – Av. São João, 473, Centro

Mediação: Mário Bolognesi e Walter de Sousa

MESA 1 – Mulheres na música dos circos brasileiros

Convidada: Lívia Mattos

A circense, musicista e socióloga apresenta um panorama sobre a presença e a atuação das

mulheres na música dos circos itinerantes brasileiros. A partir do seu acervo de entrevistas, realizadas nos últimos dez anos, Lívia costura memórias e perspectivas que ressaltam a importância dos circos para a difusão da música no Brasil.

MESA 2 – Quando a artista se torna mãe: possibilidades de existência na cena, no circuito e no mercado de trabalho

Convidadas: Maria Carolina Vasconcelos Oliveira e Elza Wolf

Muitas das artes circenses envolvem prática que requerem dedicação diária e também um

nível alto de engajamento corporal. Nesse contexto, quais as estratégias que as

artistas mães se valem na tentativa de conciliar as demandas desse trabalho com a

maternidade?

19h – ENCONTRO VIRTUAL – Mulheres dramaturgas no circo-teatro em São Paulo: 1927-1967

Exibição no Youtube: https://bityli.com/FlNcb

Mediação: Mário Bolognesi e Walter de Sousa

Convidadas: Eliene Benício Amâncio Costa e Cristina Alves de Macêdo

A produção de dramaturgas que escreveram peças para o circo-teatro em São Paulo, no período entre 1927 e 1967 será analisada pelas pesquisadoras. No acervo estão

presentes peças de 21 autoras, entre textos próprios, traduções, adaptações e arranjos, cujo

repertório varia entre dramas, melodramas, comédias, farsas, revistas e outros.

26/03

 15h – ENCONTRO VIRTUAL – Políticas Públicas para o Circo

Exibição no Youtube: https://bityli.com/FlNcb

Mediação: Mário Bolognesi e Walter de Sousa

Convidada: Alice Viveiros de Castro

Ao longo da história o circo sempre foi tratado como algo menor, entretenimento sem muito

valor. A luta pelo respeito e pelo apoio às Artes Circenses sempre esbarrou em duas dificuldades que, somadas, inviabilizaram por muito tempo a construção de políticas públicas para o Circo. Apenas uma pequena luz sobre as lutas e conquistas do circo no Brasil.

27/03

09h30 – Festim Antropofágico

Em frente ao Centro Cultural Olido, na Av. São João, 473, Centro

No Dia do Circo o FIC realiza, em parceria com o Centro de Memória do Circo, o cortejo Festim Antropofágico. O evento reviverá o dia em que os modernistas, admiradores de Piolin, comemoraram o aniversário do amigo palhaço com o Festim Antropofágico. O cortejo percorrerá importantes pontos históricos ao redor do Centro de Memória do Circo, como o Largo Paissandu, a esquina da Rua Abelardo Pinto Piolin e a escadaria da Igreja dos Homens Pretos.

16h – Circo para Todos

FIC – Festival Internacional de Circo – 4.ª Edição realiza uma ação inédita no Dia do Circo, proporcionando espetáculos gratuitos para a população em todas as lonas de circo presentes na Cidade de São Paulo. Confira horários e locais e não se esqueça: retire seus ingressos com 01h de antecedência, pois são apenas 100 lugares por espetáculo!

– Planet Circus   Rua Lucinda Simões, 100 – Conjunto Habitacional Eduardo Gomes                         

–  Circo Las Vegas – Av Teotônio Vilela 8970 JD – Parelheiros

– Circo de Roma – Av. Túlio Teodoro de Campos 51 – Vila Paulista

– Circo Miller – Estrada de Itaquera, 2842 – Guaianases

– Orion Circus – Praça Padre Pedro Balint – Ipiranga         

– Circo Mix – Av Jaime Torres 843 – Jardim Popular 

16h FIC ONLINE – El ser que habito – Los Nadies Circo (Chile) – 50 minutos – Livre

Yotubehttps://bityli.com/FlNcb

Esta obra reflete sobre as personalidades de um ser humano em conflito e tensão com a sua solidão, através de uma viagem pelos estados emocionais de uma mulher confinada com seus poucos objetos cotidianos. 

28/03

16h – TARDE DE AUTÓGRAFOS

Galeria Olido – Av. São João, 473 – Centro

Trata-se de um encontro inédito de autores sobre o Circo. A Literatura Circense nunca foi tão

incentivada e aplaudida. Venha conhecer as obras circenses do momento e adquira seu autógrafo.

20h – FIC ONLINE – Documentário Transgeneridade e Circo – Cia Fundo do Mundo – 37 minutos – 10 anos

Yotubehttps://bityli.com/FlNcb

Será que não houve pessoas trans no circo brasileiro até a última década? Porque as pessoas trans têm sempre a sensação de ser pioneiras em todos os lugares que ocupam? Quais os desafios que enfrentam quando tentam buscar por referências de pessoas trans circenses? Esses são questionamentos debatidos no documentário “Transgeneridade e Circo”, fruto da pesquisa da Cia Fundo Mundo.

29/03

20h – FIC ONLINE – Quando a Cortina se abrir – Coletiva Caixa de Pandora – 30 minutos – Livre

Yotubehttps://bityli.com/FlNcb

O espetáculo é conduzido pela comicidade feminina em suas múltiplas possibilidades, dentre elas palhaçaria, bufonaria, musicalidade, cultura popular e malabarismo. O vídeo-espetáculo retrata o encontro de cinco Pandoras para uma apresentação no teatro depois do isolamento social da covid-19. 

29/03 a 02/04

Laboratório de Criação Circense com Artur Faleiros

Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100 – Água Branca – 20 Participantes

Sob orientação de Artur Faleiros Neves, o Laboratório é uma residência artística para criações circenses individuais em processos compartilhados. O objetivo do projeto é compartilhar ferramentas autônomas para criações. 

31/03

10h – Circo de Doisdo – Cia Pé de Cana – 50 minutos – Livre

Praça Miguel Dell’erba

Capivara e Fiofó são dois palhaços nada convencionais, que tocam seu pequenino circo a bordo de uma Kombi. No comando de um picadeiro improvisado, eles se revelam acrobatas internacionais, malabaristas dançantes e uma besta fera selvagem! ‘Circo de Doisdo’ é o primeiro espetáculo da Cia Pé de Cana e traz o resgate das pequenas trupes mambembes.

20h – FIC ONLINE – LA CHUTE DES ANGES – Cie L’Oublié(e) – 70 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

Uma distopia… Porque falar do futuro talvez seja a melhor forma de falar do presente.

Em um microcosmo sob controle, a mecânica desempenha artefatos biológicos. Um grupo de homens e mulheres manipulados, sobreviventes de um mundo silencioso, se olham sem se ver, agarrados à vida. Pela vida deles.

01/04

20h – Birita Procura-se – A Casa das Lagartixas – 50 minutos – Livre

Centro Cultural Arte em Construção – Av. dos Metalúrgicos, 2100 – Cidade Tiradentes – 140 Lugares

Birita é uma palhaça (d)eficiente que, para (sobre)viver e pagar as contas, parte em busca de um emprego e desafia seus limites para exercer alguma função importante em sociedade. Assim como qualquer mortal, tem uma sonhada meta, mas será que ela está preparada para lidar com as frustrações que encontrará em seu caminho?

02/04

11h -Circo de Doisdo – Cia Pé de Cana – 50 minutos – Livre

Praça Miguel Dell’erba

Capivara e Fiofó são dois palhaços nada convencionais, que tocam seu pequenino circo a bordo de uma Kombi. No comando de um picadeiro improvisado, eles se revelam acrobatas internacionais, malabaristas dançantes e uma besta fera selvagem! ‘Circo de Doisdo’ é o primeiro espetáculo da Cia Pé de Cana e traz o resgate das pequenas trupes mambembes.

15h – Cabare Le Petit Potpourri – Parque do Circo – 50 minutos – Livre

Centro Cultural Arte em Construção – Av. dos Metalúrgicos, 2100 – Cidade Tiradentes – 140 Lugares

Um show de variedades circenses composto por diferentes artistas que se revezam entre o

palco e a banda, construindo cenas que cativam a família inteira. Em cena, números que incluem comédia física, participação do público, gags cômicas e destrezas elevadas criando uma atmosfera mágica.

20h – Através – Coletivo Através – 50 minutos – Livre

Centro Cultural Arte em Construção – Av. dos Metalúrgicos, 2100 – Cidade Tiradentes – 140 Lugares

Transformando artistas em quadros vivos, unindo o circo e as artes visuais, o espetáculo conduz a plateia a uma experiência ao mesmo tempo poética e ousada. Os artistas têm seus corpos usados como telas pela artista plástica Mura, que retrata com suas tintas a origem e a história dessas figuras.

03/04

11h – Eranko – Circo de Ébanos – 50 minutos – Livre

Centro Cultural Arte em Construção – Av. dos Metalúrgicos, 2100 – Cidade Tiradentes – 140 Lugares

O Circo de Ébanos apresenta o espetáculo “Eranko”, inspirado pela potência humana enquanto ser animal. Nessa obra circense, o instinto, a visceralidade e a simplicidade do homem contemporâneo resgatam a essência da natureza selvagem que existe dentro de nós.

15h – Circo Show– Circo Show – 50 minutos – Livre

Centro Cultural Arte em Construção – Av. dos Metalúrgicos, 2100 – Cidade Tiradentes – 140 Lugares

O Circo Show apresenta um divertido e animado espetáculo de variedades. Plas mãos do Mágico Juliano Vargas o público será conduzido para uma aventura no fantástico mundo do circo através de números de equilíbrio, malabarismo, contorcionismo e acrobacias aéreas.

15h – Caminho da Saracura – Trupe Baião de 2 – 50 minutos – Livre

Praça Nova Olinda – Jardim Sabará

Neste cortejo, a Trupe Baião de 2 busca desenterrar o Rio Saracura, sua memória e a memória dos povos que foram invisibilizados com ele. O trajeto percorrido tem momentos altamente acrobáticos nas pernas de pau, momentos de denúncia, de humor e momentos sagrados.

16h – Circo e a semana 1922.O Modernismo. – Cia Folias de Picadeiro – 50 minutos – Livre

Praça Nova Olinda – Jardim Sabará

Espetáculo circense composto por números tradicionais do universo do circo, com palhaços, magia, contorcionismo, malabarismo e dança cigana. A apresentação homenageia e reverencia a Semana de Arte Moderna de 1922, mencionando os seus integrantes e destacando em especial o palhaço Piolin.

19h – Nós Não Andamos Sós – Circo Soul – 50 minutos – Livre

Centro Cultural Arte em Construção – Av. dos Metalúrgicos, 2100 – Cidade Tiradentes – 140 Lugares

Circo, teatro, dança e música são as linguagens utilizadas para expor histórias contemporâneas relacionadas à temática LGBTQIA+. O espetáculo é um manifesto circense onde trapézio, corda lisa, acrobacias, faixas aéreas, equilíbrios sobre mãos, pirâmides e tecido são usados como plataformas para a investigação de diferentes histórias.

04/04

20h – FIC ONLINE – Mostra de Números

Yotubehttps://bityli.com/FlNcb

O FIC promove uma Mostra de Números online. Foram selecionados:
Leveza Intoxico: A Companhia Itinerante de Malabares viu no lixo um mundo de possibilidades urgentes a serem transformadas, e convida o público para uma reflexão sobre ressignificar hábitos – 16 minutos – Livre
Dengar: Scher Dias apresenta um número de circo que traz na dramaturgia a reflexão do que perpassa corpos e subjetividades pretas e trans à respeito do que lhes é ofertado enquanto afeto – 09 minutos – Livre

Esfera: Em um ambiente contemporâneo e emotivo onde existem muitos círculos, de todos os tamanhos, Pauline Zoé cria movimentos fluidos e figuras geométricas com o malabarismo, o bambolê, a roda cyr e a acrobacia – 24 minutos – Livre
Equilíbrios Provisórios: O que é o equilíbrio, senão um momento! Uma Provisoriedade. Marina Prado mostra que o equilíbrio não é fixo, não é móvel. Equilibrado em partes, tudo se move na busca eterna. 07 minutos – Livre

05/04

20h – FIC ONLINE – Gabinete de Curiosidades – 23 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

Criado por Júlia Barnabé e Rocío Walls, o espetáculo convida o público a transitar de formas mirabolantes pela passagem do tempo e, com marionetes construídas à mão pelas artistas, instiga a curiosidade pelo que é feito engenhosamente de forma artesanal.

21h – FIC ONLINE – O Salto – Ninha Almeida – 41 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

O espetáculo é uma encenação autobiográfica da aramista Ninha Almeida Inspirado no cenário de sua infância, Vale do Capão, que para além de suas memórias aborda a questão do lixo, do racismo, empoderamento feminino e responsabilidade social.

06/04

20h – FIC ONLINE – Ebo para trançar quem sou – Eliza Nilaja – 11 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

Integrar com a natureza O solo é morada Pés na terra, entrelaça com quem protege Enraíza, pé no chão e dança Dançar voando Voar rezando é mandinga”


21h – FIC ONLINE – Atemporal – Cia do Sufoco – 45 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

A Cia do Sufoco apresenta uma história recheada de magia, reflexão e divertimento.

No ano de 2.200, após a devastação dos recursos naturais, a humanidade encontra-se quase extinta. Entre os poucos seres que habitam o planeta Terra, encontra-se um Cientista, que realiza diversas experiências em busca de fórmulas, que lhe trarão vida para os próximos dias.

07/04

20h – Dr. Palhaço e o Fluxo – Teatro da Mafalda – 50 minutos – Livre

Teatro do Contêiner – R. dos Gusmões, 43 – Santa Ifigênia – 99 Lugares

Dr. Palhaço e o Fluxo é um espetáculo de circo-teatro de denúncia, revelando o que verdadeiramente é a cracolândia e quais as forças em jogo neste território em disputa. Um espetáculo que concilia a arte do colonizador e o circo europeu com os ritmos que são referência da população que ali reside: RAP, Hip Hop e Funk.

20h – FIC ONLINE – Urubu – Circo Enxame – 41 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

Circo Enxame apresenta aqui a união de quatro cenas que trazem diferentes olhares sobre o mesmo tema: URUBU. Estando ainda o país em uma situação de pandemia, é inevitável trazer questionamentos relacionados ao que estamos vivendo nesta experiência.

08/04

20h30 – Carta Branca- Cia do Relativo – 45 minutos – Livre

Comunidade Cultural Quilombaque – Tv. Cambaratiba, 286 – Perus – 50 lugares

Em uma sala de uma só parede, quatro artistas de circo se encontram para ocupar o vazio e transformá-lo constantemente: São bancos, bolas e tábuas de madeira que, através de manipulações, voam pelos ares e deslizam pelo chão, invadindo o espaço e criando em cada momento um novo cenário de jogo.

09/04

17h – Titânia – Erika Mesquita – 45 minutos – Livre

Comunidade Cultural Quilombaque – Tv. Cambaratiba, 286 – Perus – 50 lugares

Erika Mesquita nos apresenta a mulher mais forte do mundo. Inspirada em mulheres reais, a artista usa habilidades circenses tais como manipulação de bambolês, equilibrismos, acrobacia aérea em trapézio e demonstrações de força para nos revelar um mistério: quem será esta mulher? Se preparem para saber!

16h – Espetáculo criado especialmente para o FIC – Cabaré Casa Florescer – 60 minutos – Livre

Casa Florescer – Rua Prates, 1101- Bom Retiro – 100 Lugares

Criado especialmente para o FIC, este cabaré é um respiro de arte, um encontro de artistas sobre um olhar gentil para o território que se encontra a Casa Florescer, assim nasce esse espetáculo composto de virtuosos números circenses, música e dança. Para compor o elenco, Andrea Macera convidou artistas diversos, corpos dissidentes e moradores da Princesa Isabel. 

10/04

15h – Catappum – Coletivo Catappum – 45 minutos – Livre

Comunidade Cultural Quilombaque – Tv. Cambaratiba, 286 – Perus – 50 lugares

O espetáculo traz a estética preta para o picadeiro dos palhaços. Com música ao vivo, bonecos e jogos com a plateia, Shortz e Calarças abrem um campo lúdico para satirizar as relações da cidade. A obra traz a estética preta, propondo novas possibilidades de atuação e palhaçaria, num misto de música, poesia e reflexões.

19h – As Inigualáveis Descendo do Salto – As Inigualáveis Irmãs Cola – 45 minutos – Livre

Comunidade Cultural Quilombaque – Tv. Cambaratiba, 286 – Perus – 50 lugares

Duas mulheres malabaristas no topo de seus saltos agulha armam a lona em que são criadoras e protagonistas dos números. Pés firmes no chão, as Inigualáveis Irmãs Cola seguem em busca do número de suas vidas. Dedos, braços, olhos e tornozelos ávidos a romper a agulha que lhes fere o calcanhar, são “As Inigualáveis descendo do salto”.

11/04

20h – FIC ONLINE – Fuego Rojo – Colectivo La Patagollina (Chile) – 50 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

Teatro físico e circo contemporâneo se misturam para dar vida a uma série de passagens oníricas utilizando a manipulação de objetos, a criação de imagens poéticas e a música ao vivo como elementos fundamentais da linguagem cênica. Baseia-se na trilogia Memória do Fogo, do uruguaio Eduardo Galeano, que coloca em tensão memória e atualidade.

12/04

20h – FIC ONLINE – Bruta Flor – Grupo Ares – 50 minutos – Livre

Yotube: https://bityli.com/FlNcb

Neste espetáculo vemos a resiliência da mulher, tão assediada, humilhada e agredida por ser “Magra demais. Gorda demais. Muito alta. Branquela. Negrinha”. Ele representa não apenas a mulher, mas todo cidadão que se indigna com cada fala preconceituosa, machista e abusadora.

13/04

10h – Circo Poeira – Caio Stolai – 50 minutos – Livre

Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100– Água Branca – 120 Lugares

Circo Poeira é um espetáculo que mistura as linguagens de Circo, Teatro e Boneco. A peça conta a história de um circo através das recordações de um “Velho Mestre”. Esse personagem que é o narrador da história relembra o auge do seu Circo e dessa forma surgem do fundo de sua memória os números que compõem o show.


14h30 – Circo Poeira – Caio Stolai – 50 minutos – Livre

Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100– Água Branca – 120 Lugares

Circo Poeira é um espetáculo que mistura as linguagens de Circo, Teatro e Boneco. A peça conta a história de um circo através das recordações de um “Velho Mestre”. Esse personagem que é o narrador da história relembra o auge do seu Circo e dessa forma surgem do fundo de sua memória os números que compõem o show.

19h30 – Mira – Circo Casca de Noz – 13 minutos – Livre

Área Externa do Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba

A companhia apresenta um número clássico de circo, de arremesso de facas, que é revisitado com uma nova abordagem. Os personagens entram em cena para mostrar suas habilidades de mira, a parceira carrega consigo a força da guerreira e o parceiro um personagem um tanto caricato e irreverente.

20h30 – Espetáculo criado especialmente para o FIC – As Pretas Ditas – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

O espetáculo apresenta o universo das mulheres pretas, o cotidiano da guerreira, da mãe, das forças da natureza como a água doce e o trovão. Com uma narrativa doce e fluída, o espetáculo leva ao público números aéreos de corda, tecido, lira, acrobacias de solo, contorção e roda cyr, que ilustram esse momento dinâmico de empoderamento que as mulheres pretas estão vivendo no dia a dia.

14/04

09h30 – Reciclown – Cia Raros Circus – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

Um gari e um catador de materiais reutilizáveis se encontram em um dia de trabalho. Um quer terminar o serviço, já o outro quer transformar o mundo! Uma comédia que une o circo e o teatro e faz nascer uma amizade que pode nos inspirar.


14h – Estupendo – Circo di SóLadies – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

Após muito tempo trabalhando em diversos teatros e circos, cansadas dos mandos e desmandos dos patrões, Augustine, Greice e Úrsula decidem criar seu próprio circo e rodar pelo mundo. A adaptação de cenas clássicas do circo tradicional, música, poesia e interação com a plateia compõem as apresentações de “Estupendo”.

19h – CONSAGRADA – Gabi Parigi (Argentina) – 50 minutos – Livre

Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 200 Lugares

O humor físico, a acrobacia e o teatro se fundem no corpo-canal da intérprete, que convida os espectadores a desandar o caminho dos seus próprios sacrifícios ou zonas sagradas. Na cena há uma polifonia. A ginasta consagrada – aquela que se debate entre sair em grande estilo ou chutar o balde e cair no fosso do esquecimento – desdobra suas vozes, muta em outros corpos; abre alas para que desfilem seus monstros e seus deuses.


20h30 – Espetáculo criado especialmente para o FIC – Ponto Linha – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

Neste espetáculo musical dirigido por Lu Lopes, os artistas do circo saem da caixinha de DesCostura de Madame Du Porto para se expressarem livremente, misturando as linguagens circenses. A surpresa deste movimento é a costura inesperada que equilibra o músico em cima da bola, o gorducho em cima do magrelo e os pés em cima da cabeça! Contorcionismo, palhaçaria, acrobacias e música dão charme e voz a Madame Du Porto, que com sua caixinha de “. pontoelinha I” faz alta costura poética para toda plateia se encantar!

15/04

19h – Inversus – Cia Eós – 50 minutos – Livre

Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 200 Lugares

O espetáculo mistura as artes do circo, dança e teatro. É a dramaturgia expressa em forma de força, por vezes leveza, levando a magia dos movimentos no tecido ao estático e dinâmico do trapézio, em meio ao estrondo das correntes suspensas. Em um misto de mistério e tenacidade, apresentam um conjunto harmônico, delicado e encantador. 

19h30 – Só – Ana Maíra Favacho – 10 minutos – Livre

Área Externa do Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba

O projeto é uma criação espontânea parida pelo desejo e necessidade do movimento corporal. Em cena um trapézio: a abertura para o infinito! Um corpo no espaço aéreo e as aspirações da mãe puérpera em isolamento social diante da Pandemia.

20h30 – Circo de Versos – Circo Mínimo – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

O diretor Rodrigo Matheus une circo e poesia para falar de diversidade. No título, o trocadilho “de versos” aponta para a diversidade que sempre esteve presente no circo brasileiro, ainda que de forma velada, e para a poesia e as imagens propostas pelos nove artistas envolvidos. Contorção, estafa aérea, trapézio de um ponto, tecido gota, pole dance em balanço são algumas das técnicas circenses utilizadas pelos artistas em cena.

16/04

14h – Altissonante – Lu Menin – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

Espetáculo solo da artista circense Lu Menin, que constrói a própria trajetória feminina em um Aereotório, seu espaço de oração, com ênfase no barroco através drama, emoção e movimento. Com uma linguagem multifacetária do circo, através das técnicas de parada de mãos, acrobacia aérea, canto, dança e teatro físico essa figura barroca e altissonante se expressa!

15h – O Show da Percha – Circo do Asfalto – 60 minutos – Livre

Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100– Água Branca – 120 Lugares

Neste espetáculo, a Palhaça Francisquinha e o Malabarista Diou apresentam ao público a técnica da percha de equilíbrio, além de números de acrobacia, contorção e malabarismo. Pouco praticada no mundo devido ao seu alto grau de dificuldade, a percha de equilíbrio é uma técnica de origem familiar, passada de geração para geração.

18h – Construtores – Coletivo Vertigem – 50 minutos – Livre

Área Externa do Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba

Construtores tem seu elenco composto por artistas especialistas em suas áreas, que trabalham de forma específica as modalidades de Roda Cyr, acrobacia aérea com tecido em gota, acrobacias de solo, comicidade e a utilização do Trampoline Wall.

19h – TRA TRA – Colectivo Clo (Uruguai) – 50 minutos – Livre

Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 200 Lugares

O trabalho é construído em torno da relação que desenvolvemos com os dispositivos: telefones celulares, videogames e realidades aumentadas. Uma experiência de jogo que se move com a questão de como a tecnologia potencializa e amplia as possibilidades de nossos corpos, ao mesmo tempo em que nos seduz com mundos virtuais paralelos.


20h30 – Cabaré Amazonas – Coletivo Feminino Multicultural – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

Apresentação de um coletivo feminino que agrega disciplinas e temáticas muito diversas como acrobacias de solo e aéreas, malabares e comicidade. Cabaré das Amazonas foi criado durante a pandemia em 2020 numa retomada inspirada na força da terra, da sabedoria, da vida e das águas amazônicas.

20h30 – Ela- Troupe Guezá – 45 minutos – Livre

Lona Agenor – Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100– Água Branca – 140 Lugares

Fragmentos analíticos de cada artista se revelam no palco, sem interpretações, apenas expondo o que elas fazem, mostrando as impressões do que são e de como se reconhecem. Cada cena é uma parte exposta desses corpos acrobáticos, revelando universos particulares, vozes de representação, pensamentos coletivos e individuais.

17/04

12h30 – Profano – Atilio Surian – 07 minutos – Livre

Área Externa do Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba

Profano é um estudo sobre suas relações particulares com as definições de pecado, religião e gênero através de um olhar Renascentista. Representa o livre arbítrio, o desejo e a tentação, extraindo da fisicalidade e das composições de obras conhecidas para construir uma atmosfera quase sacra, porém, cercada por desejos carnais.

16h – O Circo Fubanguinho – Trupe Lona Preta – 50 minutos – Livre

Lona do FIC – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 280 Lugares

O roteiro é uma sequência de cenas clássicas de palhaço, costurado por amplo repertório musical que comenta, pontua e estranha as ações. Nessa peça, motivados por interesses antagônicos, o dono do circo e os funcionários formam um polo contraditório, e dessa contradição se extrai os elementos mais valiosos das cenas.

16h – Lalaiá – Caravana Tapioca – 45 minutos – Livre

Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100– Água Branca – 120 Lugares

Para reverenciar o encontro da música com o circo, os seis artistas do elenco se revezam nos instrumentos musicais, malabares e acrobacias em demonstrações excêntricas de habilidades ao som de ritmos brasileiros. Eles contam com a arte do equilíbrio e a graça da palhaçaria, tudo na cadência do samba, do funk e do forró.

19h – Sentido Proibido- Coletivo Café da Manhã – 50 minutos – Livre

Teatro Flávio Império – R. Prof. Alves Pedroso, 600- Cangaíba – 200 Lugares

Sentido Proibido é um espetáculo de Circo que desafia a gravidade e preconceitos ao criar a dramaturgia a partir dos desafios encontrados no processo de criação. Em cena, três acrobatas e um ator utilizam suas pesquisas de movimentos expressivos para ressignificar padrões vazios. Mastro chinês. Trapézio, Lira, Parada de Mão e Máscara serão ferramentas para as personagens se comunicarem com o público. 

19h00 – Espetáculo criado especialmente para o FIC – Salto Alto – 60 minutos – Livre

Lona Agenor – Tendal da Lapa – Rua Guaicurus, 1100– Água Branca – 140 Lugares

O espetáculo encerra o FIC – Festival Internacional de Circo – 4ª Edição.

O espetáculo possui uma linguagem hibrida e caráter musical, mesclando diferentes técnicas circenses, acrobacia, dança, teatro físico, lip synk e muito humor. Inspirado na cultura das ballroom de NY nos anos 80, ele exalta glamour, orgulho e resistência, valorizando as mulheres reais e poderosas.


Texto e foto: colaboração de André Moretti & Felipe Junqueira

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*