Pesquisa aponta que 9,5% dos brasilienses já passaram fome por falta de dinheiro

Compartilhe nosso Trabalho

Trabalho foi realizado pelo projeto ObservaDF durante a pandemia coronavírus

Dados fazem parte da segunda etapa do estudo sobre cenários socioeconômicos da capital federal
O projeto ObservaDF, que é vinculado ao Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília e ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, apresentou a segunda etapa do estudo que analisa dados mais específicos diante dos impactos da pandemia da Covid-19 no Distrito Federal.

Com o tema “Desigualdade de fome: Insegurança Alimentar e Políticas Sociais no DF”, a pesquisa aponta que o DF tem uma taxa elevada de insegurança alimentar, principalmente nas regiões com baixa renda.

O estudo também mostrou que quase 40% (39,9%) dos moradores da capital do país tiveram a preocupação de que os alimentos acabassem antes de ter condições de comprar ou receber mais comida; e 23,3% dos entrevistados afirmaram que a comida acabou antes que eles tivessem dinheiro para comprar mais alimentos.

O ObservaDF constatou que 9,5% dos brasilienses já sentiram fome, mas não comeram porque não tinham dinheiro para comprar comida. Já 9,7% dos entrevistados alegaram que fizeram apenas uma refeição por dia ou ficaram  o dia todo sem se alimentar por não terem condições financeiras.

O levantamento aponta, ainda, que dos 50% da população que está em segurança alimentar, 14% nunca consumiu alimentos saudáveis e outros 15% consomem todos os alimentos saudáveis todos os dias.

A pesquisa detalha que 72% dos entrevistados consomem mais de quatro alimentos saudáveis todos os dias. Porém, dos 10% que estão em insegurança alimentar grave: 17% não consomem alimentos saudáveis nunca, mas 60% consomem até três tipos de alimentos saudáveis todos os dias.

Quando o cenário leva em consideração apenas mulheres, pessoas com a cor da pele parda e quem perdeu o emprego na pandemia, esse grupo tem maior probabilidade de estarem em situação de insegurança alimentar, diz o estudo.

A análise também mostra que o auxílio emergencial é a única política social que tem um efeito moderador da insegurança alimentar para os mais pobres, que recebem abaixo de dois salários mínimos.

A equipe conta com os pesquisadores: Lucio Remuzat Rennó Junior, Ana Maria Nogales Vasconcelos, Andrea Felippe Cabello, Frederico Bertholini Santos Rodrigues e Guilherme Viana. Para receber todas as informações e atualizações sobre a pesquisa, cadastre-se no site: www.observadf.org.br

Colaboração da Prezz Comunicação, com foto de pixabay.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*