Operação comandada por policiais do Guará prende acusados de extorsão em compra de celulares pela internet

Compartilhe nosso Trabalho

Ação ocorreu na note da última segunda-feira, 13 por agentes da 4ª DP por meio da Operação MANZANA 02

Mais um trabalho de sucesso realizado pela 4ª DP do Guará resultou na prisão de dois acusados de extorquir moradores de várias regiões do DF na compra de celulares usando a plataforma OLX. Os supostos autores foram identificados após dois meses de investigação e após terem feito, ao menos, 29 vítimas em todo o Distrito Federal.

Os autores, segundo a 4ª DP, integram uma associação criminosa especializada na prática do golpe da compra de celular da OLX, por meio da qual, mediante a simulação de uma transferência bancária eletrônica, eles se apossavam de aparelhos de telefone celular anunciados à venda pelas vítimas em sites da internet.

Produtos que seriam fruto de roubo encontrados com a dupla presa pela PCDF

De acordo com delegados da 4ª DP, após encontrarem os anúncios da venda de celulares em sites da internet, os autores contatavam as vítimas e marcavam encontros em locais públicos e após o expediente comercial (entre 17h e 21h). Após analisarem os aparelhos, eles acertavam o valor da negociação e simulavam um agendamento de transferência bancária eletrônica para o dia seguinte, sob a alegação que não seria possível a realização da transação em razão do horário negociado. Acreditando que o pagamento seria realizado, as vítimas entregavam os aparelhos e somente percebiam o golpe no dia seguinte, quando então registravam a respectiva ocorrência policial.

Banner feito pela PCDF para denúncias

Os autores fizeram três vítimas no Guará/DF

Durante a investigação foram identificados 3 autores: Evanilson de Lima Santana, 30 anos, seu irmão, Francisco Chagas Santana da Rocha Filho, de, 25 anos, ambos presos em flagrante e Thiago Arieson Vasconcelos Monte, 26. Esse último ainda não foi localizado. Todos são naturais de Oeiras/PI

Evanilson e Francisco foram presos em flagrante por volta das 21h0, na via EPIA, logo após terem cometido mais dois golpes. Com eles foram encontrados dois aparelhos de telefone celular da marca Apple/Iphone na caixa.

Apenas uma das vítimas da segunda-feira (13) foi identificada e teve o aparelho restituído. Ela disse que foi Francisco quem se passou como comprador, tendo afirmado se chamar Diogo. O encontro marcado entre eles ocorreu às 19h, no interior do Shopping JK.

Durante a investigação foi percebido que os autores se revezavam na execução dos golpes, quando então se passavam por comprador do celular anunciado.

De acordo com a 4ª DP, os autores sempre atuavam com o mesmo modus operandi e se locomoviam ao local dos encontros em duplas e sempre utilizavam o veículo Fiat Stilo de cor prata e de placas HLJ-6061/DF, registrado em nome de uma terceira pessoa.

Normalmente, quando os crimes eram praticados por Evanilson, de acordo com os agentes, ele realizava as falsas transferências bancarias em nome de Roniel Felipe de Melo e se apresentava às vítimas como sendo Roni, Niel ou Lipphe.

Na segunda feira passada (6), o grupo acusado dos crimes fez outras duas vítimas em Taguatinga, tendo marcado os encontros em hipermercados localizados nas proximidades do Taguatinga Shopping.

Evanilson já havia sido preso no Piauí pela prática de diversos crimes de estelionato perpetrados contra comerciantes de várias cidades de seu Estado natal.

Evanilson e Francisco foram enquadrados pela prática de dois crimes de estelionato e pelo crime de associação criminosa. Somadas as penas podem chegar a 13 anos de prisão. Thiago também será indiciado pelo crime de associação criminosa.

Eles serão ainda indiciados por todos os golpes praticados.

A operação

MANZANA significa maçã em espanhol. A operação recebeu este nome tendo em vista a preferência dos autores por celulares da marca e modelo Apple/phone.

A 1ª Operação MANZANA resultou na prisão de Rodrigo Mascarenhas em fevereiro deste ano. Acusado de estelionatos que atuava de forma semelhante à da associação criminosa investigada pelos agentes da 4ª DP.

(Por Amarildo Castro, com informações da 4a DP)

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*